Observando meu currículo, penso em desistir de focar em front-end e voltar a ser full-stack. Já que, no final de tudo, este mudança de foco na minha carreira foi apenas porque eu precisava me atualizar profissionalmente.

5 anos atrás eu estava atuando em implantação de projetos, num sistema de digitalização de documentos chamado Kofax Capture. O Capture é um sistema de digitalização e indexação de documentos - indexação é pegar as informações de um documento, via digitação ou OCR, para facilitar a busca deste documento num banco de imagens (leia mais aqui). Eu trabalhei nisto por 5 anos.Fui promovido até chegar ao cargo de "analista de sistemas". Mas nunca imaginava que nunca tinha sido analista de sistemas ou mesmo um programador. Percebi que nunca tinha programado de verdade, no máximo eu fazia um script de validação dos campos indexadores. Eu não sabia, mas eu estava me enganado pelo bom salário que ganhava.

Percebi tarde demais quando eu fui despedido dessa empresa; eu não conseguia voltar para o mercado de trabalho. Eu não tinha noção de como estava o desenvolvimento de sistemas na época. Eu não tinha noção de conceitos como Orientação à Objetos, outras linguagens. A verdade é que eu nunca tinha programado profissionalmente.

Fiquei 2 anos em desespero, tentando voltar à trabalhar. Só consegui graças a alguns colegas que me deram ‌‌uma vaga de estágio. Foi uma ótima oportunidade que aproveitei. Neste estágio que ocorreu minha transformação profissional: enquanto eu trabalhava com scripts em Visual Basic 6 (além do Capture, trabalhei um pouco com um sistema legado), lá eu criava e desenhava sites.

Decidi que queria entrar mais neste universo de html, css, e ‌‌JavaScript. Aliás, JavaScript acabou se tornando minha linguagem favorita. Deu muito certo, comecei a evoluir na carreira muito rápido, pois me atualizei com produtos e conceitos novos em TI.

Além disso tudo, ganhei uma autonomia enorme. Autonomia do sentido de precisar mais ter licenças para trabalhar (as licenças de uso na minha antiga empresa eram caras), ou máquina da empresa pra ‌‌poder trabalhar (scanners proprietários). Eu tinha condições de eu mesmo sozinho criar meus próprios produtos, criar meus próprios‌‌ projetos. A princípio, não precisa de nenhuma licenças para poder criar um site.

E mesmo depois de começar a usar produtos para desenho, serviços, ou frameworks, acabei conhecendo não só um‌‌ mundo mais moderno, mas também um mundo mais acessível, graças as licenças Open Source.

Curti e curto muito trabalhar nessa área. Com todo esse poder, autonomia, e liberdade para criar; mesmo assim, percebi uma coisa interessante enquanto eu evoluía em front-end: mesmo trabalhando mais com o processo visual das coisas, sites e imagens, mais eu precisava trabalhar a questão dos servidores, isto é, a aplicação que serve os sites. Comecei a trabalhar com processamento de dados mais pesados e em banco de dados.

E vi que mesmo numa página simples, existem processos importantes que devem ser pensados antes dela ser renderizada, como por exemplo o SEO. O SEO é uma forma‌‌ de você organizar o código fonte de seu site, para que ela possa auxiliar robôs de busca como Google, Bing, a lerem a sua página (de novo, expliquei isto aqui).  Por causa disto, acabei voltando a pontos que eu estava começando a ver 5 anos atrás. Acessar bancos, download, upload, serviços online, e assim por diante.

Não só aprendi a desenvolver, de fato.; eu consegui cuidar inteiramente da ‌‌gestão completa de um site, como hospedagem, domínios...

ouvindo: More than spirit (Lo-Fi Hip-hop) - Green Assassin Dolarsn